COMPORTAMENTO DA POPULAÇÃO PERANTE OS INCÊNDIOS NA IUF - INCÊNDIO DE EIRIZ-BAIÃO

28 abril 2017
(0 votos)
Author :   Emanuel Sardo Fidalgo
Citar ARTIGO: Fidalgo, E. 2013. Comportamento da população perante os incêndios na IUF - incêndio de Eiriz-Baião. Revista Segurança Comportamental, 6, 10-11 Emanuel Sardo Fidalgo| Geógrafo. Mestre em Ciências do Risco. Adjunto de Comando - Bombeiros Voluntários de Baião

A existência de uma fraca cultura de segurança ou mesmo a inexistência desta, na população, é um fator que dificulta a inversão da tendência de situações de incêndios na IUF. É necessária uma melhor sensibilização à população que conduza a uma maior perceção de risco e por isso a uma mudança comportamental, mais preventiva e protetiva.

Resumo
O fenómeno dos incêndios florestais na interface urbano-florestal (IUF) tem vindo a assumir dimensão relativamente ao número total de incêndios. No Verão de 2009, no concelho de Baião ocorreram incêndios que se caracterizaram pela sua violência e que se aproximaram de áreas edificadas numa realidade sem precedentes. Com o intuito de compreender a relação entre a população e os incêndios foram aplicados dois inquéritos, um nas freguesias do concelho e outro na área afectada pelo incêndio de Eiriz em 30 de Agosto.

Introdução
Actualmente, os espaços rurais são multiformes e diversificados, que não se resumem apenas à actividade agrícola e florestal, e que nas últimas décadas têm apresentado um conjunto de dinâmicas de mudança. Esta nova realidade deve-se a duas situações: a primeira prende-se com o crescimento das áreas urbanas para as suas periferias e também a procura das áreas rurais e florestais como espaços de lazer. A segunda situação, deve-se aos processos de despovoamento, relacionados com a incapacidade de mobilização dos agentes económicos para a criação de emprego nestas áreas.
O concelho de Baião apresenta um quadro geográfico e social de um território marginal de montanha, de baixa densidade demográfica e funcional, com baixas qualificações, envelhecido, onde os processos de despovoamento contribuem para alterações na paisagem que os incêndios florestais se manifestam. Com efeito, as alterações na ocupação e uso do solo observadas, revelam uma diminuição das áreas agrícolas, consequência do seu abandono, e o aumento das áreas florestais, o que dá origem as novas áreas de IUF que pelas suas características expõem, na maioria das vezes, esta população pouco resiliente, à manifestação de incêndios florestais.
O incêndio de 30 de Agosto de 2009 em Eiriz percorreu uma área fortemente humanizada e fragmentada consumindo 454 ha em cerca de 14 horas. Apesar dos incêndios florestais neste território serem recorrentes e de algum modo integrarem o quotidiano estival das populações, este incêndio assumiu características inéditas relativamente à sua proximidade com as povoações confrontando-as com a necessidade de se protegerem a si e aos seus bens.

Comportamento da população perante os incêndios florestais
Inquérito à população residente no concelho de Baião. Da análise do uso das parcelas confinantes com as habitações dos inquiridos 21% encontram-se em situação de abandono das quais 14% são os proprietários das parcelas florestais e 7% das parcelas agrícolas.
As freguesias que os inquiridos consideraram representar maior risco de incêndio florestal são Teixeira (12,3%), Valadares (10,3%) e Campelo (9%). No entanto, existe uma grande dispersão de respostas e uma relação de proximidade entre as freguesias com maior risco de incêndio e a freguesia de residência. Relativamente à classificação do risco de incêndios florestal na freguesia de residência 12% respondeu muito elevado, 36% elevado, 32% moderado e também 12% reduzido (fig. 1). Apenas os inquiridos de Teixeira, Ovil, Campelo, S. Tomé de Covelas, Frende, Gôve e Valadares classificaram a sua freguesia com risco “muito elevado”.
O grau de resiliência da população é observado nas atitudes de prevenção e proteção que os inquiridos adotam antes e durante um incêndio florestal, respetivamente. Neste sentido cerca de 32% dos inquiridos referem que não tomam medidas de autoproteção, este valor é mais elevado junto da população masculina com mais de 55 anos de idade. Assim, dos inquiridos que afirmaram tomar medidas de autoproteção, 87% limpam a vegetação em redor da casa, em alguns casos mesmo quando não são proprietários desses terrenos, 63% possuem um sistema de rega ou de extinção de incêndios, 52% evita a acumulação de desperdícios e, por fim, apenas 14% elimina as sebes naturais (fig. 2).
Quando confrontados com um incêndio florestal a aproximar-se da sua habitação, 6% dos inquiridos afirmaram não fazer nada, nomeadamente a população mais idosa, enquanto 82% chama os bombeiros, 1% observa o incêndio, 21% fecha a sua habitação e protege os bens, e 46% protege os bens e auxilia no combate.

Figura n.º 1

Figura n.º 2

Figura n.º 3

Inquérito à população afetada pelo incêndio de Eiriz
A população afetada pelo incêndio de Eiriz demonstrou alguns valores díspares relativamente aos encontrados no concelho. Aqui, verificaram-se percentagens mais elevadas de residentes com menos de 5 anos e entre 5 e 10 anos no lugar atual (30%).
Apesar de apenas 10% dos inquiridos classificarem a freguesia de residência com risco de incêndio florestal muito elevado, 78% toma medidas de autoproteção, em que 83% limpam a vegetação em redor da habitação mesmo quando não são proprietários do terreno (21%), 29,8% evitam a acumulação de desperdícios, 70% possuem um sistema de rega ou de extinção de incêndios e 12,8% elimina as sebes naturais.
Quando um incêndio florestal se aproxima da habitação, 13,3% dos inquiridos não faz nada, 73,3% chama os bombeiros, 1,7% observa o incêndio, 31,7% fecha a habitação e protege os bens e 60% protege os bens e auxilia no combate. Existem ainda 5% dos inquiridos que tomam outras medidas como molhar a habitação e a sua envolvente. Neste incêndio em 86,7% dos casos o fogo aproximou-se de infraestruturas, tendo mesmo atingido 5,8% das habitações. Em mais de metade dos casos o incêndio esteve a menos de 25 metros de distância, em 26,9% entre 25 e 50 metros, em 3,8% entre 50 e 100 metros, em 11,5% a mais de 100 metros.
Perante o desenrolar do incêndio, 31,7% dos inquiridos não fizeram nada, 23,3% chamou os bombeiros, 15% observou o incêndio, 50% fechou a sua habitação e protegeu os seus bens, 20% protegeu os seus bens e auxiliou no combate e 6,7% auxiliaram os vizinhos e molharam a habitação. Aqui, podem-se verificar algumas disparidades entre aquilo que os inquiridos intencionam fazer e o que efetivamente fazem quando se deparam com um incêndio florestal a aproximar-se da sua habitação. De facto, a percentagem de pessoas que não faz nada é muito superior, bem como a de observação do incêndio. Por outro lado, a percentagem de pessoas que ajuda no combate, é de apenas de um terço (fig. 3).

Conclusão
Na possibilidade da existência de uma fraca cultura de segurança ou mesmo a inexistência desta, assim como, a pouca preparação e sensibilização das populações em termos de prevenção e proteção, torna-se difícil inverter a tendência que se adivinha no agudizar de situações de incêndios na IUF. Verifica-se o progressivo abandono das explorações agrícolas e florestais, ainda que de forma mais evidente no segundo caso, pois ainda são muitos os proprietários que exploram pequenas hortas, para autoconsumo.
Neste sentido, torna-se necessário dotar os cidadãos e principalmente todos os que percorrem estas áreas, e que se encontram expostos ao risco de incêndio, de informação suficiente que os capacite a decidir e agir em situação de emergência.
O mesmo se processa ao nível do conhecimento dos fatores desencadeantes que levam as habitações e outras infraestruturas a serem vulneráveis a incêndios na IUF, e que se tomem medidas de autoproteção adaptadas às especificidades locais, como a limpeza de vegetação em torno das infraestruturas e a não acumulação de lixo e outros desperdícios nas imediações, dotar os equipamentos mais expostos, nomeadamente indústrias e habitações inseridas em manchas florestais de sistemas de proteção exteriores para incêndios florestais.
É pois necessária uma melhor preparação e sensibilização à população que conduza a uma maior perceção de risco e por isso a uma mudança comportamental, mais preventiva e protetiva.

Bibliografia
Beck, U. (1999). Risk society revisited: theory, politics, critiques and research programmes. In World Risk Society (pp. 133-152). Cambridge: Polity Press.
Caballero, D. et al (2005). Wildland-Urban Interface Management: A State of the Art. EUFIRELAB: Euro-Mediterranean Wildland Fire Laboratory, a “wall-less” Laboratory for Wildland Fire Sciences and Technologies in the Euro-Mediterranean Region.
Manyena, S. B. (2006). The concept of resilience revisited. In Disasters, 30 (4), 433-450.
Viegas, X. et al (2011). Incêndios Florestais. Lisboa: Verlag Dashöfer.

 

  • Cultura de Segurança e Saúde – Avaliação e Intervenção  (1.ª ed.)

    Cultura de Segurança e Saúde – Avaliação e Intervenção (1.ª ed.)

    Holiday Inn Lisbon-Continental | Lisboa
    18 a 19 de outubro de 2021 | 9H30 às 17H30 | 14 horas

  • ENVELHECIMENTO ATIVO E OS COMPORTAMENTOS SEGUROS EM SOCIEDADE

    ENVELHECIMENTO ATIVO E OS COMPORTAMENTOS SEGUROS EM SOCIEDADE

    Em Portugal, registaram-se mais de 2,1 milhões de idosos em 2017, o que equivale a cerca de 21% da população total no país. Segundo Euromonitor International os portugueses constituem a quinta população mais envelhecida do mundo. O processo de envelhecimento traz consigo, habitualmente, complicações diversas na saúde das pessoas, pelo que urge a importância crescente da prevenção e de novos comportamentos e hábitos de vida. Tendo este grupo de risco tendencialmente uma redução de mobilidade, uma das maiores preocupações, seja em casa ou na rua, são as quedas. São aqui apresentadas as medidas relacionadas não só com a mudança de comportamentos e hábitos do indivíduo tanto a nível físico, psicológico e social, mas também, nas condições habitacionais.

  • Previna ocorrências com a Andragogia! As empresas têm crianças a trabalhar? Então, porque utiliza a Pedagogia?

    Previna ocorrências com a Andragogia! As empresas têm crianças a trabalhar? Então, porque utiliza a Pedagogia?

    As empresas têm crianças a trabalhar?
    Então, porque utiliza a Pedagogia?
    Venha conhecer a Andragogia!
    Previna Ocorrências!

Segurança Comportamental

A revista Segurança Comportamental é uma revista técnico-científica, com carácter independente, sendo a única revista em Portugal especializada em comportamentos de segurança.

Social Share

Pagamentos

# # # #


 

Top
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…