PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE LMERT: IMPLEMENTAÇÃO EM TEMPO DE CRISE _ ESTUDO PILOTO NO SETOR ADMINISTRATIVO

29 abril 2017
(1 Vote)
Author :   João Parreira; André Félix
Citar ARTIGO: Parreira, J. André, F. 2012. Programa de prevenção de LMERT: implementação em tempo de crise _estudo piloto no setor administrativo. Revista Segurança Comportamental, 5, 22-23 João Parreira. André Félix. | Licenciados em fisioterapia pela ESS-IPS. Criadores do programa piloto de prevenção da saúde no trabalho “Agir para Prevenir”.

Este programa é educativo, tem como principais objetivos a adoção da prática de exercícios de alongamento, a realização de pausas / micro pausas e a adoção de uma postura correta à secretária, por parte dos trabalhadores durante o horário de trabalho, sem interferir com os objetivos de trabalho diários estipulados pela empresa.

As lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho (LMERT) são um problema de saúde pública que têm um elevado impacto ao nível do absentismo laboral, dias perdidos de trabalho e na qualidade de vida dos trabalhadores, com implicações pessoais, sociais e económicas avultadas (Schneider et al., 2010). As LMERT são as doenças de trabalho mais diagnosticadas na Europa (EU-27), sendo que mais de 62% dos trabalhadores, de ambos os sexos, estão expostos diariamente aos riscos de LMERT durante, pelo menos, um quarto de tempo do trabalho (Schneider et al., 2010). Muito se tem abordado sobre a prevenção de LMERT nos últimos anos, porém face à atual crise económica mundial, a prevenção passa a ser colocada como um fator menos prioritário. No entanto, à austeridade associada à crise advém o agravamento de fatores como o aumento do ritmo e das exigências de trabalho, aumento dos cortes nos recursos e nas despesas ou o envelhecimento crescente dos trabalhadores no ativo. Fatores que contribuem, em conjunto, para o aumento da carga física e emocional no local de trabalho, que aumentam a probabilidade de aparecimento de LMERT ou de outras doenças motivadas pelo trabalho. Isto reproduz-se na dor, no desconforto, na insatisfação no trabalho que conduzem à menor performance dos trabalhadores, ao aumento do absentismo, à diminuição da produtividade acarretando prejuízos pessoais, sociais e económicos associados (Mills et al., 2007; Pelletier et al., 2004). Cria-se um ciclo que contraria os objetivos que, à partida, seriam os pretendidos em tempos de crise, relevando, mais do que nunca, a importância e necessidade de investimento na promoção e prevenção da saúde no trabalho.
Dentro dos diversos sectores, é no trabalho de escritório em que as LMERT são mais relatadas e onde a prevalência de sintomas se apresenta elevada, particularmente ao nível da coluna lombar, cervical e membros superiores, resultantes da adoção de más posturas e movimentos repetidos nestas zonas do corpo, mantidos durante um elevado número de horas (Janwantanakul et al., 2010).
Com o intuito de promover a saúde no local de trabalho e diminuir o risco de LMERT, foi desenvolvido o programa “Agir para Prevenir”. O programa piloto, implementado no setor administrativo de uma grande empresa da indústria automóvel, tendo como principais objetivos a adoção da prática de exercícios de alongamento, a realização de pausas/micro pausas e a adoção de uma postura correta ao computador ou secretária, por parte dos trabalhadores durante o horário de trabalho, através de um programa de educação e sem interferir com a normal produtividade e objetivos de trabalho diários da empresa. Para a implementação deste programa, foi selecionada pela empresa, uma população alvo, constituída por doze elementos.
Como base para a conceção e avaliação do programa, e para garantir a adequabilidade do programa à população, foi realizada uma análise observacional a cada posto de trabalho. Foram distribuídos questionários a todos os participantes, no início e no fim do período de intervenção.

«(…) é no trabalho de escritório em que as LMERT são mais relatadas e onde a prevalência de sintomas se apresenta elevada, particularmente ao nível da coluna lombar, cervical e membros superiores (…)»

A intervenção teve a duração de quatro semanas, envolvendo sessões de educação e exercícios de alongamento em “dinâmica de grupo”. Os conteúdos e estratégias utilizados visavam focar os fatores de risco presentes e motivar os trabalhadores a adotarem comportamentos saudáveis, durante e após o período de trabalho. Na última semana, realizaram-se duas sessões práticas de exercícios de alongamento com o intuito de monitorizar e esclarecer possíveis dúvidas.
Os resultados obtidos com o programa piloto mostraram que houve alterações ao nível da adoção de comportamentos saudáveis no local de trabalho nos trabalhadores do sector administrativo da referida empresa. Paralelamente, obtiveram-se também efeitos positivos na satisfação e na autoeficácia percecionada pelos trabalhadores.
Face à diversidade de contextos de trabalho, de equipas, de organizações, existe uma diversidade de estratégias atualmente existentes no mercado laboral que tentam responder à prevenção e promoção da saúde nos locais de trabalho, mas que a literatura ainda não consegue definir qual a mais efetiva. Porém, nos últimos anos a evidência tem mostrado que os resultados destes programas têm maior visibilidade e impacto se mantidos a longo-prazo, tornando-se a sua sustentabilidade um fator determinante para o sucesso das intervenções. Para além de ser mais um contributo para compreensão da saúde no contexto de trabalho, este estudo aborda a prevenção e promoção da saúde no local de trabalho como uma intervenção holística de etiologia multifatorial, propondo-se a intervir de forma diferenciada e personalizada nos diferentes contextos de trabalho e explorando uma intervenção menos dependente de agentes externos, mais autossustentável e, por isso, também mais económica.

Bibliografia
Janwantanakul, P., Pensri, P., Jiamjarasrangsi, W., & Sinsongsook, T. (2010). The relationship between upper extremity musculoskeletal symptoms attributed to work and risk factors in office worker. Occupational and Environmental Health , 83 (3), 273–281.
Mills, P.R., Kessler, R.C., Cooper, J., Sullivan, S. (2007). Impact of a health promotion program on employee health risks and work productivity. American Journal of Health Promotion, 22, 45–53.
Pelletier, B., Boles, M., Lynch, W. (2004). Change in Health Risks and Work Productivity Over Time. Journal of Occupational and Environmental Medicine, 46 (7), 746–54.
Schneider, E., Irastorza, X., & Copsey, S. (2010). OSH in figures: Work-related musculoskeletal disorders in the EU - Facts and figures. European Agency for Safety and Health at work (EU-OSHA). Luxembourg: Publications Office of the European Union.

Segurança Comportamental

A revista Segurança Comportamental é uma revista técnico-científica, com carácter independente, sendo a única revista em Portugal especializada em comportamentos de segurança.

Social Share

Pagamentos

# # # #


 

Top
We use cookies to improve our website. By continuing to use this website, you are giving consent to cookies being used. More details…